11.12.05

los hermanos

Shows da banda carioca Los Hermanos podem ser tudo, menos uma experiência propriamente musical.

Porque o público, tomado por adoração messiânica, canta do começo ao fim absolutamente todas as letras. Grita, vibra, aplaude cada virada das canções. O público quer ser (e é) maior que o show. O público (sem querer) quer ser (e é) o show em si.

Há uma fenomenal troca de energia, uma espécie de pulsão própria de apresentações musicais ao vivo. Coisas do tipo "quem esteve lá, sabe".

Contudo, para conhecer e se emocionar com as belíssimas canções do disco "4", deve-se comprar o cd. Porque da histeria coletiva que é o show, a música é a grande prejudicada (o que, para o público presente, jamais se configura como um problema).

3 comentários:

drow disse...

quem esteve lá sabe!

Pedro Alexandre Sanches disse...

rafaello, você acha mesmo que a relação de "cinema, aspirinas e urubus" é não-sexual? hum, eu achei fortemente sexual..

Anônimo disse...

Gente, que parte que eu perdi da história... Depois de uma onda emocional enorme, uma análise fria assim? :(