30.10.07

diário da Mostra - dia 7

25/10 – quinta-feira


TIM FESTIVAL – Auditório Ibirapuera, São Paulo

Toni Platão
Deu para agüentar três musicas, por curiosidade mórbida.



Cat Power and Dirty Delta Blues
Entrando antes do anúncio oficial que deveria chamá-la ao palco, curvando-se estranhamente, como quem solicita ou dedica uma oferenda, sorrindo, já meio louca e meio lírica – sensação que só se acentuaria ao longo da apresentação – Chan Marshall/ Cat Power era algo hipnotizante. Sua música estava em desacordo com seu corpo. Havia dor em uma, desprendimento em outro. Desconstruiu suas próprias canções e algumas versões, andou freneticamente de um lado para o outro, pediu mais retorno muitas vezes. Cantou triiiiiste e lindo.



Antony and The Johnsons
Um verdadeiro recital. Ao piano, Antony Hegarty era escudado por violão, violino, violoncelo e baixo e com toda a delicadeza do mundo entoava melodias tristes e sublimes. Descontraído e brincalhão nos intervalos das músicas, nem parecia o homem que inundava palco e platéia de caudalosa emotividade assim que elas começavam. E que transformava qualquer coisa em beleza lírica – até mesmo o hino-pop-brega I Will Survive.

Um comentário:

Thiago disse...

Assisti aos dois shows citados acima no Tim Festival, no Rio de Janeiro, e acredito que tive uma impressão bastante similar à sua. Cat Power me elevou a partes pouco antes aproveitadas, com sua voz que ronrona, quase incompleta, se movimentando de lado, atingindo meu corpo de frente e em cheio. Os pedidos de retorno eram constantes, mas o retorno dos arrepios pareciam mais interessantes. Grande show, apesar do meu cansaço absurdo depois de ter perdido as forças com Björk. (e grande Dirty Delta Blues!)

Vi Anthony and the Johnsons também, duas vezes para ser mais exato (uma na abertura do show da Björk e outra em substituição ao show cancelado da Feist), e fiquei em êxtase com a beleza e leveza (e eventual dor) dos dedilhar de Hegarty. Como ressalva, somente não ter podido ouvido música tão bela melhor acomodado; não me parecia show para uma tenda armada na Marina da Glória. Mas ainda assim, notável.