17.3.06

Paris - parte 3

DIA 17/03
(alo, alo, Marco Dutra, caminhando para ser o campeao de citacoes nesse blog: FELIZ ANIVERSARIO!!!)


* Primeiro museu que eu nao conhecia: Museu Nacional da Idade Media, Cluny. (alo, alo, minha avoh!)

Tapecarias, altares e objetos de arte magnificos. Quase sempre sacros. O dinheiro estava na Igreja, enfim.


* Ao meia dia, troca de hotel. 5 andares, sem elevador, em uma escada assustadoramente pequena, torta e desnivelada. Requer cuidado, mas dah pra encarar. No quarto com televisao, vejo que os estudantes franceses estao bravos - e protestando aqui, em Paris. (Bem que a amiga Paula Manzo jah me alertara que a multidao da qual fugi outro dia eram eles, os estudantes nervosos.)


* A caminho da Torre Eiffel, muito frio. O vento entra rasgando. Me pergunto: havera um momento em que o nariz se costuma ou ele vai simplesmente cair?

(Na Torre nao subo. Jah fiz isso. Era soh uma visita passageira.)


* Segundo museu que eu nao cohecia: Museu Monet Marmotan. Suscinto, simpatico, possui (muitas) obras mestras de MONET, claro.

O mais fascinante das ninfeias pintadas sobre o lago sao os reflexos na agua. Por detras das flores, toda uma paisagem ondulando em perspectiva vertical invertida. Embaralha a visao e faz pensar que talvez as ninfeias estivessem voando soltas num mundo de cabeca pra baixo.

Ha a piadinha de que algo ou alguem eh "um Monet" quando eh impressionante de longe, mas de perto eh somente um "borrao". Pode ser verdade, mas, se assim for, eh evidente que Monet, entao, pintou para ser visto de certa distancia. E que eh incrivel nao se nega. Deslumbrante o uso da cor: ve-se praticamente todas as variantes de uma mesma tonalidade.

Dah vontade sincera de passar o dia inteiro lah, olhando...


* Terceiro museu que eu nao conhecia: Museu de Arte Moderna da Cidade de Paris (atencao: o Centro George Pompidou eh o Museu NACIONAL de Arte Moderna - coisas diferentes.)

Em exposicao especial, Pierre BONNARD. Um assombro, um assombro. Jah nao eh de hoje que miha paixao por Bonnard eh explosiva (ele eh um dos pintores que sao "meus" no mundo, junto com Hopper e Vermeer).

E jah que estavamos falando de cores, veja as de Bonnard: todas, num mesmo quadro. E, ainda assim, com um equilibrio que desafia a racionalidade, que nao se sabe de onde vem. Cenas domesticas, cenas campestres, muitos e muitos nus. E deslumbre sem fim (doi na alma nao poder levar pra casa o catalogo, mas eh peso demais para carregar ainda por muitos dias).


* Na Champs Elysee, "O Novo Mundo", de Terrence Malick, em cartaz no cinema. Ganha um picoleh de limao por ingenuidade quem achou que eu poderia resistir.

Sobre o filme, deixemos para depois, jah que ele estreia no Brasil em breve, segundo prometem. Mas vale dizer que derreti na cadeira de tanto gostar, no momento exato em que estava gostando (Tah bom, soh pra nao passar em branco: montagem inacreditavel em realizar construcoes esteticas e dinamica narrativa; fotografia nunca menos que assombrosa, com alguns dos planos mais bonitos que voce vai ver em muito tempo)

E o cinema na Franca vai bem, obrigado. Pelas fachadas das salas e pelas ruas ha, no minimo, dois cartazes de filmes frances para cada producao americana (assim como a cidade eh infestada de anuncios de pecas - viva o teatro!).

E voce pensa que os franceses sao intelectuais perniciosos que consideram o cinema uma grande arte? Pois saiba que ha pipocas gigantes e baldes de Coca Cola iguarquenem em qualquer lugar.

Agora, quer saber onde mora a sofisticacao? Sabe o que estava tocando na sala antes do filme comecar? A trilha de "Alem da Linha Vermelha", que, para quem nao sabe, eh o filme anterior do mesmo diretor. Sutileza eh isso ai...



E eh soh. Ou tudo.

Paris, Monet, Bonnard e Malick num mesmo dia acontece com que frequencia, afinal??!

3 comentários:

Gal disse...

O frio é acostumável. Depois cê sente saudade. Vai no Pompidou que é a coisa mais legal! Fora que a vizinhança é o nosso jardins-consolação-augusta-e-afins. (Te falei que cê perdeu ZD na Lôca?)

paulamanzo disse...

iguarquenem?

se acaso seu nariz cair, guarde no bolso. quando chegar aqui colaremos, se quiser até mais pra esquerda ou mais pra direita, como quiseres.

ah!os estudantes! adoro os estudantes! porque será?

paulamanzo disse...

cadê? parou?